14 de set de 2012

HÁ GARANTIAS PARA A MARCHA PATRIÓTICA EXISTIR NA DEMOCRACIA DA COLÔMBIA – PERGUNTA ANDRÉS GIL AO RECOBRAR A LIBERDADE



Há garantias para a Marcha Patriótica existir como movimento político na democracia da Colômbia? Vão continuar estigmatizando-a e justificar assim sua repressão? Vai seguir a perseguição a suas lideranças? O presidente da república da Colômbia Juan Manuel Santos vai manter-se sem pronunciar-se diante esses fatos? 

São as perguntas que o líder camponês e porta-voz da Marcha Patriótica Andrés Gil fez ao povo e ao presidente da Colômbia quando foi deixado em liberdade depois de ser detido de forma ilegal e arbitrária pela policia colombiana e que parafraseamos. 

No tempo que esteve detido ilegalmente, por parte da força publica, Gil viveu sinalamentos, estigmatizações e mãos tratos que dão conta da repressão e perseguição contra as lideranças do Movimento Social e Político Marcha Patriótica. 

A defensora de direitos humanos Piedad Cordoba, que é uma das quatro Porta-vozes da Marcha Patriótica, caracterizou o fato como “um mau começo para os diálogos de paz”. Embora o governo fale de criar garantias para a construção da paz, a realidade mostra que não há garantias para os que “estão exigindo uma saída política ao conflito, [...] para os que fazem oposição e [...] para formar movimentos como a Marcha Patriótica”. 

Piedad Cordoba acrescentou que “se não se houvesse agido com prontidão, facilmente Andrés estivera desaparecido [...]”. Fazendo referencia às usuais praticas de desaparição forçada que em circunstâncias similares tem cometido membros da polícia e do exercito colombiano, e que fazem que a democracia da Colômbia tenha mais desaparecidos que qualquer ditadura de América Latina.    

Andrés Gil foi detido de forma arbitraria e sem que contra ele existisse um mandato de apreensão, sendo acusado sem provas fundamentadas do delito de rebelião. A detenção ilegal ocorreu no aeroporto internacional el Dorado da cidade de Bogotá, Capital da Colômbia, onde o dirigente camponês se encontrava para viajar a Barcelona, Espanha. Nessa cidade começaria uma gira com a finalidade de dar a conhecer a nível internacional o Movimento Marcha Patriótica e a importância de apoiar as propostas da sociedade civil para saída política ao conflito.

Como Marcha Patriótica Capítulo Brasil e Agenda Colômbia-Brasil responsabilizamos ao governo da Colômbia, em cabeça de Juan Manuel Santos, do que possa acontecer contra a integridade física e moral das lideranças e militantes do Movimento Social e Político Marcha Patriótica pelas reiteradas, permanentes e sistemáticas estigmatizações e sinalamentos, que abrem espaço para que continuem as perseguições e a repressão às organizações e pessoas que corajosamente mantém a bandeira da paz e acreditam na saída política ao conflito e na construção democrática popular.

Fazemos um chamado às organizações sociais e políticas brasileiras que acreditam na solidariedade entre os povos para, incluir dentro de suas pautas de luta, para mobilizar-se e pressionar às autoridades colombianas para que deem garantias e deixem de estigmatizar e fazer sinalamentos injustos e irresponsáveis contra a Marcha Patriótica, contra as organizações de esquerda e democráticas, contra as pessoas que militam pela paz e os direitos humanos.   E para que apoiem o processo da Marcha Patriótica, como proposta que abre caminhos para a paz e construção alternativa democrática de poder das organizações sociais e de base do povo colombiano.


Marcha Patriótica Capítulo Brasil             Agenda Colômbia-Brasil
                                                                        A solidariedade é dos Povos!!!

13 de set de 2012

AUMENTA A REPRESSÃO CONTRA OS PORTA-VOZES DA MARCHA PATRIÓTICA EM COLÔMBIA




Na noite da quinta-feira, 13 de setembro, foi apreendido de forma ilegal pela policia colombiana o dirigente camponês Andrés Gil, quem é um dos quatro Porta-Vozes do Movimento Social e Político Marcha Patriótica. 

Gil foi detido de forma arbitraria e sem que contra ele existisse um mandato de apreensão.  Depois de ser capturado lhe foi informado que está sendo acusado, supostamente, do delito de rebelião. 

Andrés Gil foi interceptado de forma irregular pela policia no aeroporto internacional el Dorado da cidade de Bogotá, Capital da Colômbia. O dirigente camponês se encontrava no aeroporto para cumprir com as atividades que buscam dar a conhecer a nível internacional o Movimento Marcha Patriótica e criar solidariedade política pelas ameaças e estigmatizações que o Movimento político veem recebendo de forma permanente e sistemática.

As principais lideranças do Movimento Marcha Patriótica, Piedad Cordoba, Carlos Lozano e os membros do Comitê Patriótico Nacional (Um dos principais instrumentos de representação dessa organização), tem recebido ameaças de morte das organizações mercenárias-paramilitares sob sinalizações de ter vínculos com as FARC.  Essas ameaças têm sido feitas simultaneamente com as estigmatizações que tem feito, de forma publica e irresponsável, algumas autoridade do governo de Juan Manuel Santos.

É necessário lembrar que na Colômbia foi exterminado na década passada, com a responsabilidade do governo, o partido político de esquerda a Unión Patriótica pelas estigmatizações que de forma injusta o sinalavam de ser um braço das FARC. 

Dessa mesma forma lembrar que na Colômbia há mais de 9 mil prisioneiros de opinião, acusados de pertencer às organizações insurgentes e que  se encontram nas cárceres sem terem uma situação jurídica definida e sem provas fundamentadas para estarem detidos.

O Movimento Social e Político Marcha Patriótica é conformado por mais de dois mil organizações sociais e tem como principal bandeira a paz com justiça social na Colômbia. Esse movimento por seu caráter popular e suas possibilidades concretas de converter-se em um ator político com capacidade de disputar o poder, desde sua criação, veem sofrendo serias ameaças e sinalizações que buscam justificar a repressão.

Fazemos responsável do que possa acontecer contra a integridade física e moral do companheiro Andrés Gil ao governo da Colômbia em cabeça de Juan Manuel Santos.

 Fazemos um chamado às organizações sociais e políticas brasileiras que acreditam na solidariedade entre os povos para mobilizar-se e pressionar às autoridades colombianas e denunciar esta grave situação.  

E para que apóiem o processo da Marcha Patriótica, como proposta que abre caminhos para a paz e construção alternativa de poder das organizações sociais e de base do povo colombiano, pedindo que seja respeitado este movimento, não seja criminalizado e lhes sejam dadas todas as garantias para seu desenvolvimento.


Marcha Patriótica Capítulo Brasil                    Agenda Colômbia-Brasil
                                                                     A solidariedade é dos Povos!!!
 

Manifesto de Solidariedade a Piedad Córdoba e à Marcha Patriótica

MOVIMENTO POLÍTICO E SOCIAL MARCHA PATRIÓTICA

A nossa América passa por uma mudança de época que se expressa no avanço das democracias participativas, protagonizadas pelos movimentos sociais e populares em um ambiente de inclusão e dignificação econômica. Reconhecemos na diversidade e no dissenso dos partidos, movimentos e plataformas políticas o sustento de sociedades justas.

Neste contexto, o povo colombiano vem impulsionando alternativas sociais e políticas que superem o conflito armado interno e construam a paz com justiça social, como passo imprescindível para a democracia. Surgiu das organizações sindicais, camponesas, estudantis, culturais e lutadores pelos direitos humanos o Movimento Político e Social Marcha Patriótica, que manifesta como principais demandas na sua plataforma política, a necessidade da Solução Política ao conflito armado, uma reforma agrária democrática, a luta pela sustentabilidade ambiental, a instauração de uma democracia participativa e a soberania nacional.

Os ataques contra este movimento popular são ataques contra a democracia, e impedem avançar na consecução da paz, atentando contra as liberdades políticas do povo colombiano. Afirmamos com clareza que se devem respeitar e apoiar todos os esforços democratizadores e participativos que permitam consolidar América Latina como um território de paz.

Diante do exposto, exortamos o governo colombiano a restabelecer os direitos políticos da líder Piedad Córdoba; que se garanta a vida de todos e todas integrantes do movimento Marcha Patriótica e se lhe outorguem as condições necessárias para o exercício da oposição política. Comprometemo-nos a estar atenciosos para evitar qualquer atentado contra os direitos à vida e a participação deste movimento político e da sociedade colombiana em geral.

Chamamos à comunidade latino-americana e mundial a apoiar a busca de uma solução política ao conflito e a solidarizar se com o povo colombiano em sua luta por ampliar a democracia e conquistar garantias políticas e sociais.


Para assinar como entidade ou militantes dirigir-se ao endereço eletrônico marchapatrioticacapbr@gmail.com ou  Marchapatrioticacapbrsp@gmail.com

Marcha Patriótica Capítulo Brasil

Agenda Colômbia-Brasil
A Solidariedade é dos Povos!!!